Quanto custa montar uma loja virtual?

Quanto custa montar uma loja virtual – Uma estimativa do investimento inicial

Quanto custa montar uma loja virtual - Uma estimativa do investimento inicialDeterminar quanto custa montar uma loja virtual é um questionamento que muita gente me faz e que por ser muito genérico não pode ter uma resposta sem antes se fazer uma análise mais detalhada da questão.

Ao contrário do que muita gente imagina, atualmente montar uma loja virtual não é um investimento caro, muito pelo contrário, é bem menor do que uma loja física. Por outro lado, também não é algo que se possa fazer sem qualquer investimento inicial, como dizem alguns vendedores de ilusão que andam soltos por ai.

Para você saber quanto custa montar uma loja virtual é preciso em primeiro lugar definir o que você pretende fazer e definir alguns pontos básicos que influenciam diretamente os custos de um projeto de e-commerce.

Além disso, para determinar o custo de uma loja virtual de maneira realista, é preciso entender que uma operação de e-commerce não se resume simplesmente à loja virtual em si, e envolve uma série de outros fatores que são igualmente importantes.

Determinando os custos para criação de um e-commerce

Para quem possamos definir de maneira precisa quanto custa montar uma loja virtual, precisamos primeiramente dividir estes custos pelas diversas dimensões que envolvem o negócio. De maneira geral, podemos classificar estes custos em três categorias:

  • Custos estruturais de plataforma e outros recursos de TI
  • Custos de divulgação da loja virtual
  • Custos operacionais

Muita gente acaba errando nas projeções por atribuir maior importância a questão da aquisição da plataforma de e-commerce e relevando os dois outros fatores a um segundo plano. Em nosso curso sobre criação de lojas virtuais recomendamos que a alocação de recursos seja feita na proporção de apenas trinta por cento do capital disponível para a plataforma e o restante para as outras etapas.

O custo da plataforma de e-commerce

Vamos começar então determinando o custo da plataforma de e-commerce, coração de todo o negócio. Esse é um custo que vai depender muito do tamanho do negócio que você pretende montar e dos recursos que você irá precisar. Logo de saída, posso dizer a você para esquecer a história de loja virtual grátis, pois na verdade isso simplesmente não existe. Sempre haverá um custo oculto no final das contas.

Você terá na verdade três opções de plataformas para montar a sua loja virtual:

  • Plataformas open source
  • Plataformas alugadas – SaaS
  • Plataformas exclusivas

Nas plataformas de e-commerce open source, sistemas de código livre que você pode baixar, instalar e configurar, existem inúmeras opções disponíveis no mercado. Embora pareça simples, na verdade é preciso ter um conhecimento de programação muito bom para poder instalar corretamente sistemas mais sofisticados como o Magento. Por isso, não se iluda, você vai precisar contratar um programador ou empresa especializada.

Para que você e possa ter uma ideia de quanto custa montar uma loja virtual utilizando a solução Magento Commerce, um bom profissional ou empresa especializada cobra em torno de R$ 6.000 para instalar e configurar o sistema.

Já na categoria de lojas virtuais alugadas, a dispersão de preços é muito grande. São dezenas de fornecedores com as mais diversas propostas, e por isso é preciso analisar detalhadamente cada uma para não errar na escolha. São diversos fatores a serem levados em consideração. Veja mais detalhes no artigo Como Escolher uma Plataforma de E-commerce

Para quem quer saber quanto custa montar uma loja virtual com uma plataforma de e-commerce alugada, podemos adiantar que o inicial começa por volta de R$ 30,00 e pode chegar até mais de R$ 8.000 nos modelos mais sofisticados.

Aqui vale uma dica importante. Não se escolhe uma plataforma de e-commerce pelo preço, e sim pelas funcionalidades e outros quesitos técnicos que ela oferece. O ideal é pedir um orçamento para plataforma de e-commerce a diversos fornecedores e analisar bem as suas propostas. Conheça nossa seção de Fornecedores de Plataformas de E-commerce

Por último você teria a opção de uma plataforma exclusiva. Nesse caso, não há como dizer qual é o patamar de preço, já que o orçamento depende de inúmeros fatores. O que podemos adiantar é que o investimento é muito alto e por isso pouco aconselhável para quem está iniciando agora.

Montada a loja é hora de divulgar o negócio

O grande custo de uma loja virtual está na divulgação do negócio. Como já dizia Jerry Young, um dos fundadores do Yahoo, um site sem divulgação é como um outdoor no porão da casa, ninguém vê. É por isso que em nossos treinamentos sempre indicamos que seja alocada uma verba maior para a etapa de divulgação da loja virtual.

No caso específico do e-commerce, temos algumas áreas que não podem ficar de fora em uma estratégia de marketing online:

  • SEO – Otimização de sites para ferramentas de busca
  • Links Patrocinados – Anúncios pagos no Google e outros canais
  • E-mail marketing
  • Redes sociais

O custo de divulgação da loja virtual

Montar um e-commerce sem preocupação com a divulgação da loja virtual é o famoso tiro-no-pé. Se na loja física todo mundo fica preocupado com a propaganda, porque agir diferentemente quando o assunto é a criação de uma loja virtual. Elas precisam de muita divulgação seja através de estratégias de SEO ou SEM. Se você não consegue ser listado(a) em ferramentas de busca – ver artigo – em posições de destaque compromete em muito o sucesso do negócio.

O marketing digital desempenha papel fundamental no plano de negócios de qualquer projeto de e-commerce hoje em dia. Relevar essa variável de custo de uma loja virtual é não levar a sério o seu próprio projeto. Dentro de qualquer planejamento esta verba deve ser determinada com bastante critério, pois nos primeiros momentos da loja o uso do marketing digital é bastante intensivo.

Treinamento em comércio eletrônico é investimento

O gerenciamento de lojas virtuais está ficando cada vez mais profissional e sua gestão tem que acompanhar esse movimento. Nem pensar na solução baratinha de passar a administração da loja para “a menina da contabilidade que sabe de Internet”. Não que ela não tenha capacidade para isso, mas em termos de comércio eletrônico é necessário muito mais que conhecimento sobre navegação na rede. É necessário conhecer os mecanismos do e-commerce, não só para gerenciar o negócio, como também para identificar oportunidades e se prevenir contra as ameaças do mercado.

O treinamento tanto na etapa de planejamento para implementação da loja virtual, quanto na etapa de operacionalização do software de gestão, otimização da loja para ferramentas de busca, monitoramento dos acessos – Google Analytics – e outras funções é essencial para o sucesso de um projeto. O treinamento e aperfeiçoamento de pessoal é um item importante da estrutura de custo de uma loja virtual.

Custos operacionais

Não podemos deixar de lado outros custos que também afetam o resultado do negócio. A logística, por exemplo, tem cada vez mais um papel decisivo para uma loja virtual de sucesso. Por isso, quando falamos em quanto custa montar uma loja virtual, não podemos de levar em consideração os custos de entrega dos produtos vendidos. Pesquise entre os diversos fornecedores de serviços de logística para o e-commerce, aquele que pode lhe oferecer as melhores condições de custo e prazo de entrega.

Não podemos deixar de lado também os aspectos fiscais. A tributação no comércio eletrônico precisa ser minuciosamente detalhada, até mesmo para saber qual o regime fiscal seria o mais indicado para o negócio.o em qualquer outro negócio, uma loja virtual também está sujeita ao pagamento de impostos como o ICMS e outros. Portanto estes são fatores que não podem ser colocados de lado.

Como você pode constatar, não dá para responder a pergunta quanto custa montar uma loja virtual de bate-pronto. É preciso antes de tudo elaborar seu planejamento para dai fazer um orçamento do projeto.

Por Alberto Valle no Guia de E-commerce

Projeto de E-commerce

Como fazer um projeto de e-commerce

Como fazer um projeto de e-commerceA elaboração de um Projeto de E-commerce é o primeiro passo para o sucesso neste segmento, mas muitas vezes é completamente ignorado pelos novos empreendedores.

Alguns empreendedores acreditam que o mais importante para posicionar sua empresa no varejo eletrônico seja simplesmente criar uma loja virtual, inserir produtos e pronto.

É claro que um projeto de e-commerce passa por esta etapas, mas o fato é que ele não se resume a isso.

Existem inúmeros fatores que precisam ser levados em consideração até mesmo para determinar qual a plataforma de e-commerce escolher, além de questões referente a capacitação de pessoas, marketing, logística e atendimento.

Como no mundo físico, os negócios online também exigem um planejamento detalhado de cada etapa e detalhamento de processos.Pensar em abrir uma loja virtual sem cumprir esse ritual é meio caminho andado para o fracasso do projeto.

O que é um projeto de e-commerce

Chamamos de Projeto de E-commerce o estudo dos fatores conjunturais que cercam o negócio e planejamento de todas as etapas necessárias para a implementação e operacionalização das atividades de uma loja virtual ou outro modelo de negócio no e-commerce.

No projeto de e-commerce são analisados os diversos aspectos que envolvem a criação e operacionalização de uma loja virtual como:

  • Análise do cenário negocial;
  • Escolha escolha da plataforma de comércio eletrônico que será adotada;
  • Escolha de formas e sistemas de pagamento;
  • Planejamento estratégico de marketing digital;
  • Logística de entrega e logística reversa;
  • Capacitação e treinamento de pessoal.

O projeto de e-commerce dará origem ao plano de negócios e os dois irão nortear todas as ações necessárias a implementação do negócio.

O passo a passo de um projeto de e-commerce

Para facilitar o trabalho, vamos analisar as diversas etapas da elaboração de um projeto de e-commerce e ter uma ideias do que está envolvido em cada uma delas.

Análise das variáveis de mercado

Antes mesmo de pensar em qualquer questão relativa a tecnologia e outros aspectos operacionais da sua loja virtual você precisará verificar se o seu modelo de negócio é viável dentro do panorama atual co comércio eletrônico. Não estamos falando aqui em saturação do mercado, mas sim do modelo que você pretende implementar.

O modelo de cópia vem deixando alguns setores em uma verdadeira situação de Oceano Vermelho, onde um grande número de empresas se engalfinhando por uma parcela de mercado, sacrificando margens e elevando seus custos operacionais. O resultado é previsível, muitas lojas virtuais fechando e as sobreviventes, operando com muita dificuldade.

Como evitar isso? Simples, inove e adote uma verdadeira estratégia do Oceano Azul, criando um modelo diferenciado que não tenha que ficar refém de descontos, frete grátis ou links patrocinados para sobreviver.

Escolha da plataforma de e-commerce

Essa é uma das etapas de um projeto de e-commerce onde os novos empreendedores se sentem realmente perdidos, pois as opções são muitas e os preços são muito distintos. Não é por outro motivo que um dos mais extensos módulos do nosso curso de e-commerce é dedicado justamente a este tópico.

A escolha da plataforma de e-commerce é uma etapa crucial do seu projeto, pois é ela que irá criar sua loja virtual como também será responsável pelo gerenciamento de diversas questões operacionais, como controle de pagamentos, estoque, entregas e funções avançadas de marketing digital.

As opções são muitas. Você pode optar por utilizar uma plataforma de e-commerce alugada ou então partir para uma solução em plataformas de e-commerce open source. Dependendo do caso, até mesmo a adoção de uma plataforma exclusiva seja a melhor opção. O que vai determinar isso é, em primeiro lugar suas necessidades específicas e, obviamente o orçamento disponível.

O fundamental neste quesito é encontrar uma plataforma de e-commerce, que do ponto de vista tecnológico possa satisfazer todas as necessidades do seu projeto, como recursos de marketing digital, controle dos processos administrativos e expansões futuras.

Para ajudá-lo nessa etapa do seu projeto de e-commerce, temos o catálogo de fornecedores de plataformas de e-commerce de nosso site, onde você encontrará dezenas de opções de sistemas para sua loja virtual.

Planejamento do marketing digital da loja

Um dos grandes diferenciais no e-commerce hoje em dia está justamente no marketing digital e é claro que o seu projeto de e-commerce não pode deixar esta etapa de lado. Sem um planejamento prévio nesta área, você terá dificuldades até na hora de escolher a plataforma de e-commerce mais indicada para o seu tipo de negócio.

Algumas ferramentas essenciais para o marketing digital de um e-commerce, como SEO, remarketing e web análise, precisam de suporte técnico da plataforma, portanto, se você não sabe exatamente do que vai precisar, corre o risco de contratar a plataforma e depois descobrir que ela não satisfaz às suas necessidades.

Além dessa questão técnica, temos também o lado financeiro, já que quando planejamos detalhadamente todo o processo de divulgação de uma loja virtual, ganhamos em termos de eficiência nas campanhas, poupamos muito tempo e, o melhor de tudo, economizamos muito dinheiro.

Se você partir para a contratação de uma agências digitais especializadas em e-commerce, talvez ela apresente um planejamento de marketing para o seu projeto (pelo menos deveria), mas de qualquer forma você precisa ter uma noção do que irá precisar.

Uma estratégia de marketing digital bem estruturada deve contar, no mínimo com três itens:

  • Uma boa estratégia para SEO – Otimização de sites para ferramentas de busca, que deve ser implementada o mais rápido possível, pois seus resultados precisam de tempo para aparecer.
  • Um planejamento inicial em termos de links patrocinados, pelo menos para o período em que o SEO levar para começar a surtir efeito.
  • Um plano de marketing em mídias sociais, já que este é um canal essencial para o e-commerce moderno, e dependendo do segmento, até mais importante do que o marketing de busca.
  • Uma boa estratégia para e-mail marketing, que ao contrário do que muita gente imagina, ainda é uma ótima ferramenta de vendas, principalmente em se tratando de e-commerce.

Como você pode ver nesse esboço de projeto de e-commerce, não é pouca coisa e muitas dessas funções irão depender diretamente de recursos da plataforma de e-commerce.

Além dessas questões técnicas é necessário que seu projeto de comércio eletrônico contenha uma previsão realista de gastos, para que todo o esforço não seja comprometido futuramente por uma asfixia financeira não identificada na fase de planejamento.

A melhor opção mesmo é fazer um plano de marketing digital para o seu projeto. No caso de executá-lo na sua própria empresa, esta é o primeiro passo e no caso de terceirizar este serviço, você já terá uma pauta inicial para discussão com as agências.

Capacitação de pessoal

Além da questão do gerenciamento do e-commerce em si, que deve ser feito por um profissional qualificado e com profundo conhecimento do funcionamento do mercado, algumas das ações de marketing digital podem e devem ser executadas na própria empresa. Por isso, a capacitação de pessoal não pode ficar de fora de um projeto de comércio eletrônico sério.

O desenvolvimento de talentos dentro da própria empresa é mais barato e conta com uma vantagem que nenhuma agência de marketing digital pode oferecer, o conhecimento sobra a cultura da empresa. O ideal é contar com colaboradores com um boa formação em marketing digital, principalmente em áreas críticas para o e-commerce como marketing de busca (SEO e Links Patrocinados) e também web analytics.

Mesmo que você pretenda terceirizar alguns serviços na área do marketing digital, é preciso conhecer, pelo menos, como funciona este ambiente de uma maneira geral, para poder saber o que contratar e como cobrar os resultados.

O planejamento é essencial

Não pretendo neste único artigo cobrir todos os pontos que envolvem as questões relacionadas a um projeto de e-commerce, pois isso seria muita pretensão da minha parte. A matéria é extensa e teríamos ainda questões como escolha de meios de pagamento, logística além de legislação e tributação no e-commerce.

A ideia que pretendo passar é que a criação da loja virtual em si não é a única etapa de um projeto de e-commerce profissional. Não são raros os casos de boas ideias de negócios que não foram adiante justamente por terem como foco do planejamento a plataforma de e-commerce de forma isolada. É necessário amarrar todas as variáveis envolvidas para que possamos criar uma estrutura sólida e duradoura.

Na hora de montar sua loja virtual, segure um pouco o ímpeto operacional e dedique o máximo de tempo possível à etapa de elaboração do seu projeto de e-commerce. Você verá que o resultado vale a pena.

Fonte: Guia de E-commerce

O que é Magento

O que é Magento – Conheça a plataforma de e-commerce Magento

O que é MagentoSe você ainda não sabe o que é Magento e está pensando em criar uma loja virtual, para tudo que está fazendo e leia este artigo.

Em termos de plataforma de e-commerce, pode-se afirmar sem medo de exageros que o sistema Magento é uma das mais soluções mais completas do mercado.

É claro que existem outros sistemas de e-commerce bastante sofisticados e completos no mercado, mas pensar em montar um e-commerce sem saber exatamente o que é Magento e o que o sistema oferece é cometer um grande erro.

Um pouco da história da Magento

Para quem deseja saber o que é Magento, vamos começar pela história do projeto. O projeto Magento nasceu por iniciativa da Varien em 2007, no rastro de outras iniciativas de desenvolvimento de sistemas de e-commerce no formato open source como a osCommerce e a Prestashop, pioneiras neste segmento.

Em 2008 a empresa lançou a primeira versão aberta do sistema que ficou conhecida como Magento Community Edition – CE.

De lá para cá a plataforma Magento vem se firmando como um padrão  da indústria e em função de seus recursos tecnológicos e soluções avançadas para e-commerce, conta hoje com usuários do porte da Samsung, Nokia, GoodYear, Nike, Olympus, Ford e outras grandes marcas.

Em fevereiro de 2011, o grupo eBay adquiriu parte das ações da Magento e concluiu a compra da empresa em junho do mesmo ano, passando a ser o controlador majoritário da empresa.

Em abril de 2014 a empresa aheadWorks especializada no desenvolvimento de extensões para a plataforma, divulgou a sua pesquisa anual sobre plataformas de e-commerce e constatou que pelo terceiro ano consecutivo a Magento se destaca como sistema de e-commerce open source mais usado no mundo, com uma participação de 33,8% no universo analisado.

participacao-magento

No Brasil a plataforma vem conquistando cada vez mais adeptos em função da sua versatilidade e quantidade de recursos, o que fez com que vários fornecedores de plataforma Magento surgissem no país.

Definindo o que é Magento e quais os recursos que oferece

O Magento é a plataforma de e-commerce open source, desenvolvida na linguagem PHP e distribuída livremente no site da empresa e na comunidade de desenvolvedores que trabalha no sentido de aprimorar e acrescentar novos recursos ao sistema.

Por se tratar de uma plataforma de e-commerce open source, qualquer pessoa que possua sólidos conhecimentos de programação (o código é bem sofisticado) pode promover alterações e desenvolver novas funções para o sistema. Dessa forma, não existe limites para a customização da plataforma, o que contribuiu em muito para sua aceitação pelo mercado.

Características da arquitetura da plataforma Magento

Uma das principais características da plataforma Magento é sua arquitetura modular, ou seja o sistema como um todo é composto por diversos módulos independentes que reunidos fazem compõem o sistema. Para quem ainda não sabe o que é Magento e qual a diferença que isso faz em termos técnicos, posso garantir que esse é um dos pontos chave para o sucesso da plataforma.

Os módulos são conhecidos como Extensões Magento, ou plugins para Magento e são um dos pontos fortes da plataforma. através deles podemos incorporar novas funções à loja e com isso torná-la mais interessante para que a visita e também mais funcional para quem administra.

As Extensões Magento podem ser gratuitas ou pagas. No primeiro caso, você encontrará diversas delas no Magento Connect, o diretório oficial de plugins Magento. Lá também você encontrará algumas extensões pagas, desenvolvidas por empresas e programadores independentes.

Outro destaque na plataforma Magento fica por conta das templates, módulos que alteram o design da loja e permitem uma customização muito grande. Em sites especializados como o Theme Forest você encontra centenas de templates que podem ser adquiridas e instaladas na sua loja, dando um toque exclusivo ao seu projeto.

A robustez da plataforma também traz alguns problemas, porque ela se torna extremamente exigente em termos de desempenho do provedor de hospedagem. Como a plataforma trabalha com muitas requisições ao banco de dados, é preciso escolher um bom provedor de hospedagem para Magento, caso contrário a loja poderá ficar lenta e até mesmo chegar a sair do ar.

Diante de tudo isso, podemos garantir que o Magento , é sem dúvida alguma uma das melhores plataformas de comércio eletrônico do mercado, tanto que no curso de e-commerce que ministramos sempre damos um destaque especial a essa plataforma.

Agora que você já sabe o que é Magento e conhece o poder dessa plataforma, pense na possibilidade de adotar essa solução no planejamento do seu e-commerce.

Fonte: Guia de E-commerce

Consultor de Marketing Digital

Consultor de Marketing Digital – Quem é este profissional e o que faz

Com o crescimento das mídias digitais a figura do consultor de marketing digital é cada vez mais presente, não somente nas grandes empresas como também entre as PMEs que buscam criar uma presença na Internet.

Por se tratar de uma área relativamente recente e ainda desconhecida para a maioria dos empresários, o consultor de marketing digital se torna necessário para orientar as decisões de estruturação e investimento nesta área.

Aos poucos as empresas vão se conscientizando que marketing digital exige profissionais qualificados e que uma estratégia de marketing digital sólida, que traga resultados reais, não pode ser implementada por aquele sobrinho que “mexe com Internet”.

Qual o papel do consultor de marketing digital

Um Consultor de Marketing Digital atua de forma estratégica ajudando as empresas a estipularem um conjunto de diretrizes de ações de marketing online, e às vezes também off-line, que garantam a exposição e retorno da marca nas mídias digitais.

É função do consultor de marketing digital analisar o propósito e situação da empresa para poder em seguida estruturar um plano de marketing digital que inclua a estratégia macro da empresas e o detalhamento das ações a serem implementadas nas diversas áreas do marketing digital de forma a atingir os objetivos determinados na etapa de planejamento estratégico.

Nesse planejamento são definidas como:

  • Objetivos da presença online da marca;
  • Necessidades imediatas em função da situação de mercado;
  • Identificação dos principais concorrentes com uma boa presença online;
  • Definição dos canais e meios a serem utilizados nas campanhas online;
  • Definição de sistemas, métricas e KPIs a serem monitorados.

Uma consultoria em marketing digital é um serviço de suporte às organizações e seus gestores no sentido de auxiliá-los a entender e definir quais são as melhores alternativas no mercado de publicidade online e as implicações da sua adoção. É papel do consultor de marketing online elencar as opções disponíveis, seus custos e resultados, de forma a embasar as decisões dos gestores do negócio.

A formação de um consultor de marketing digital

A formação de um consultor de marketing digital é um processo que não acontece da noite para o dia. Ele é um profissional que além de reunir competências e habilidades nas diversas áreas do marketing digital, também possui uma experiência no setor que o credencia a funcionar como profissional de suporte na área de negócios online.

Uma formação em marketing digital sólida e bem estruturada é fundamental para todo profissional que se dedica a essa área. Essa formação envolve áreas como marketing de busca, redes sociais, e-mail marketing e outras áreas afins. Dessa forma o consultor de marketing digital adquire uma visão ampla das técnicas e ferramentas disponíveis para criação de ações nas mídias online.

Quando contratar um consultor de marketing online

De maneira geral as empresas percebem a importância da contratação de um consultor de marketing em mídias digitais quando pensam na contratação de uma agência digital ou fornecedores individuais de serviços online e descobrem que não sabem o que contratar e como supervisionar a execução deste trabalho.

Esta é uma situação bem comum no mercado atual, tanto que muitos dos participantes dos nossos cursos de marketing digital na Academia do Marketing não são pessoas que pretendem fazer carreira na área, mas sim administradores que precisam se posicionar sobre o que existe no mercado para poderem se orientar na hora de efetuarem a contratação de serviços digitais.

Quem faz o que em uma consultoria de marketing digital

É preciso fazer uma distinção clara entre o trabalho de consultoria em marketing digital e a execução das tarefas elencadas na etapa de planejamento, já que muitas das vezes, o consultor não é quem irá operacionalizar as ações sugeridas, mas apenas atuar na parte de planejamento estratégico, e dependendo do contrato, supervisionar sua implementação.

O consultor não executa diretamente as ações sugeridas no planejamento estratégico digital, mas acompanha e analisa os resultados dessas ações através das métricas e KPIs adequados visando refinar estas ações ou corrigir eventuais distorções.

A execução das ações sugeridas ficará a cargo de agências digitais e outros profissionais que podem ser sugeridos pelo próprio consultor. Um bom consultor de marketing digital possui uma rede de contatos profissionais extensa e a isenção necessária para indicar as empresas e profissionais que melhor se adaptam às necessidades e orçamento da marca.

O consultor de marketing digital é um profissional chave para qualquer empresa que deseje ter uma presença sólida e de alto retorno nas mídias digitais.

Fonte: Blog da Academia do Marketing

Marketing digital para pequenas empresas

,

Marketing digital para pequenas empresas

Marketing digital para pequenas empresasÉ cada vez maior a busca por soluções de marketing digital para pequenas empresas nos dias de hoje. Não é para menos. O Brasil conta atualmente com oitenta milhões de Internautas e empresário algum pode se dar ao luxo de ignorar um público desses.

Mais ainda, o mercado do marketing online não se restringe aos usuários de computadores, pois os dispositivos móveis como smartphones e tablets já possuem 53 milhões de usuários acessando a Internet através deles.

Por que a opção pelo marketing digital para PMEs?

A aplicação ou não de estratégias de marketing digital para pequenas empresas não é mais uma questão de opção e sim uma imposição do mercado. Da mesma forma que a empresa ter ou não um site já é discussão passada, estar ou não presente no ambiente do marketing online também já é uma questão de sobrevivência para as PMEs.

Em um mundo cada vez mais conectado, ignorar os canais digitais é jogar fora um público que atualmente realmente faz toda a diferença. Com a convergência digital, querendo ao não todos estão, de alguma forma conectados, seja em seus computadores, smartphones, tablets ou vídeo games. É inevitável. A Internet está por toda parte.

Marketing digital versus Marketing Convencional

Quando indicamos o caminho do marketing digital para pequenas empresas, não estamos de maneira alguma dizendo que você deve ignorar daqui por diante o marketing tradicional, muito pelo contrário, estamos falando na sinergia do marketing digital com o convencional. Os dois se completam e se fortalecem quando usados de forma coordenada.

Um bom plano de marketing digital deve ter como base a integração dos diversos canais disponíveis, tanto no marketing digital como também no marketing convencional, e para isso é necessário entender a função de cada canal em seu ambiente para poder criar a ponte entre um e outro.

Sua empresa ainda não tem um plano de marketing digital?

O primeiro passo para a criação de um plano de marketing digital é definir muito claramente seus objetivos e orçamento disponível. Sem isso você estará simplesmente jogando dinheiro fora em suas ações de marketing online.

Para ter sucesso no marketing digital é preciso identificar claramente seu público alvo, canais utilizados, padrões de utilização e outras características, para então poder desenvolver uma estratégia de marketing online realista e que surta efeito de verdade.

Sua empresa no mundo online

Imagine a quantidade de negócios que sua empresa pode gerar através de uma bem estruturada campanha de e-mail marketing ou então através de uma boa audiência nas redes sociais. Pense no quanto seu negócio poderia lucrar com uma grande exposição nas páginas de respostas dos grandes buscadores como o Google, por exemplo.

O marketing digital para pequenas empresas abre portas para um mundo novo de oportunidades de negócios e a conquista de novos mercados que por uma questão até mesmo de logística, o marketing convencional não consegue atingir. São essas as oportunidades que tem levado cada vez mais, pequenos e médios empresários a buscarem as técnicas e ferramentas do marketing online para divulgação de suas empresas na Internet.

A resistência cria um diferencial

O cenário do marketing digital para pequenas empresas é promissor, mas infelizmente alguns empresários ainda resistem à ideia de criar uma presença sólida na Internet, mas essa resistência pode acabar se transformando em um grande diferencial para a sua própria empresa.

Se o seu concorrente resolveu ignorar o potencial publicitário do marketing online, talvez seja essa a chance que você estava esperando para partir para a tomada do mercado que ele vem desprezando nessa área. Já pensou nisso?  A teimosia do seu concorrente pode estar jogando no seu colo uma fatia de mercado que em outras situações lhe custaria caro conquistar. É o marketing digital entrando como diferencial da sua empresa.

A descoberta de um mundo novo

Você pode argumentar que não tem uma estratégia de marketing digital simplesmente porque não conhece as técnicas e ferramentas necessárias para a divulgação da sua empresa na Internet, mas isso não é desculpa.

Até bem poucos anos atrás sua empresa não tinha nem computador e muito menos acesso à Internet, mas você e seus colaboradores aprenderam a usar essa nova ferramenta, concorda? Por que com o marketing digital seria diferente?

Você pode até mesmo partir para a terceirização desse serviço, mas nós sabemos que ninguém melhor para conhecer sua empresa e seus clientes, do que você mesmo. Por isso, porque arcar com os custos de uma agência digital se você pode capacitar seus colaboradores para desempenharem essa tarefa de forma profissional? Pense nisso.

Histórias que se repetem

Durante nossos cursos de marketing digital sempre temos a oportunidade de ouvir histórias de sucesso que vem confirmando o que acabamos de mostrar. São centenas de empresários que ao ingressarem no mundo do marketing digital para pequenas empresas acabam descobrindo um leque de oportunidades até então desconhecido por eles.

O marketing digital para pequenas empresas já é uma realidade no Brasil e ignorar esse novo componente do mundo negocial pode custar muito cara aos seus negócios.

Fonte: Academia do Marketing

Como anunciar no Facebook – Facebook Ads

Como anunciar no Facebook – Facebook Ads

Como Anunciar no FacebookSaber como anunciar no Facebook, para um profissional de marketing digital ou empresas interessadas em conseguir uma boa exposição na rede social mais importante do momento, tem sido uma preocupação constante.Os anúncios no Facebook ou Facebook Ads, como também são conhecidos, são um canal de altíssima conversão, quando usados com as técnicas de Facebook Marketing adequadas.

Talvez a pergunta não seja como anunciar no Facebook, mas sim, por que anunciar no Facebook. A resposta é muito simples: Porque é sem dúvida alguma um dos maiores canais digitais da atualidade e já foi incorporado ao dia a dia das pessoas, principalmente dos brasileiros. Portanto, anunciar no Facebook, deve fazer parte de qualquer campanha de marketing digital.

Em nosso curso de Facebook Ads temos recebido um número cada vez maior de participantes que vem enxergando nos Facebook Ads uma alternativa para a conquista de novos clientes e também uma forma de fugir dos altos e crescentes custos de outras formas de mídia paga, como Google AdWords, por exemplo.

O marketing no Facebook

O marketing em redes sociais diferencia-se bastante das outras estratégias de marketing online onde as ações tendem a ser mais incisivas, como no marketing de busca, sejam em estratégias de SEO ou em links patrocinados.

As ações de marketing nas mídias sociais, de forma geral se posicionam no campo do marketing de display, além é claro de representarem a expressão máxima do marketing de relacionamento online. No caso, anunciar no Facebook, funciona bem mais como ou outdoor na rua do que o anúncio em um catálogo.

As opções de publicidade no Facebook

Existem basicamente duas opções pagas. A primeira delas é através dos Facebook Ads, os anúncios no Facebook. Os Facebook Ads são os pequenos anúncios que aparecem na lateral direita da maioria das páginas no Facebook, como a Timeline e o Feed de Notícias, compostos basicamente, por um título, uma imagem e uma mensagem de texto.

Com os Facebook Ads você pode fazer basicamente três tipos de anúncios:

  • Facebook Ads Para Páginas – Promoção de páginas no Facebook
  • Facebook Ads Para Histórias – Promoção de postagens no Facebook
  • Facebook Ads Para Sites – Promoções de URLs externas ao Facebook

Cada uma destas opções possui variações de posicionamento e configurações, e tem uma missão específica dentro de uma campanha de marketing no Facebook, podendo ser a de expansão da base de fãs, divulgação de postagens na página, geração de leads ou ações que busca conversões diretas.

A segunda opção é através da Promover do Facebook. Essa função está disponível para Páginas de Fãs com mais de 400 participantes. Através da opção de Promoção de Postagens, podemos fazer nossas postagens atingirem um número bem maior de pessoas, do que o seria possível, levando-se em consideração apenas o EdgeRank da página. Com esse recurso, conseguimos impactar um número bem maior de pessoas do que seria possível usando apenas nossa base de fãs.

Segmentação dos anúncios no Facebook

O maior argumento dos entusiastas dos anúncios no Facebook é sua altíssima capacidade de segmentação. Em termos de web marketing, nunca se teve uma ferramenta de links patrocinados com tamanha capacidade de segmentação quanto os Facebook Ads, nem mesmo no Google AdWords.

O Facebook utiliza as informações dos perfis de sua rede para direcionar os anúncios justamente para o público-alvo selecionado, o que nos dá condições de fazer uma campanha muito mais focada no público alvo que pretendemos atingir.

Outro fator fascinante dos anúncios no Facebook é a quantidade de estratégias que podemos montar. Em nosso curso de Facebook Ads é comum ver os participantes estruturando estratégias que mesmo nós, com mais experiência nesse tipo de canal, jamais tínhamos imaginado. É realmente uma ferramenta fascinante e indispensável para quem deseja divulgar uma empresa na Internet.

Como você pode ver, não se trata apenas de saber como anunciar no Facebook, mas principalmente para quem anunciar no Facebook.

Publicado originalmente no Blog da Academia do Marketing

Salários no Marketing Digital em destaque

Salários no Marketing Digital em destaque

Salários no Marketing Digital em destaqueUltimamente os salários em marketing digital tem sido alvo de muitas matérias e reportagens na grande mídia, mas afinal de contas, o que está por traz do crescimento espantoso da remuneração nesta área? A resposta é bem simples, a mais absoluta falta de profissionais qualificados nesta área e uma demanda crescente no segmento.

Uma recente matéria no Olhar Digital mostrou que os salários no marketing digital em 2013 podem chegar a R$ 15.000 o que significa o dobro do valor verificado em 2009 quando os salários estavam na casa dos R$ 7 mil a R$ 8 mil mensais. Com um mercado super aquecido e insuficiência de profissionais para o preenchimento de vagas a tendência e de novas altas em 2014.

Esses dados mostram o porque a carreira em marketing digital é cada vez mais cobiçada, tanto por estudantes que estão terminando a formação tradicional como também por profissionais do marketing digital que buscam se atualizar para disputar uma dessas vagas.

Carência de pessoal alavanca salários no marketing digital

O quadro de carência generalizada de profissionais qualificados em marketing digital assusta empresas e agências e gera uma verdadeira guerra de talentos no mundo online. Segundo Zuca Palladino, gerente das divisões de marketing e varejo da empresa de recrutamento Michael Page, a busca por um gerente de marketing digital cresceu de 30% a 40% nos últimos dois anos, o que justifica parcialmente a escalada dos salários.

Essa carência de pessoal não acontece só aqui no Brasil já que a expansão das mídias digitais como meio para divulgação de marcas, produtos e serviços é um fenômeno mundial. Mesmo com todos estes fatores favoráveis, o crescimento da procura por profissionais especializados em marketing digital, ainda esbarra na ausência de uma formação acadêmica consolidada e na falta de experiência de mercado.

Mercado busca por profissionais qualificados

A demanda é grande, mas as empresas estão extremamente seletivas em suas contratações. A carência de profissionais não quer dizer que todo mundo esteja empregado. Como toda carreira ligada a área de tecnologia, o marketing digital é um segmento dinâmico que exige profissionais atualizados constantemente.

Além de uma formação acadêmica sólida, é necessário também investir em uma formação específica em marketing digital para que o profissional possa se familiarizar com as técnicas específicas do marketing online e aprender a usar as ferramentas necessárias ao desempenho da sua função. Nessa parte a Academia do Marketing vem contribuindo fortemente, oferecendo cursos de qualificação profissional cada vez mais completos e atualizados.

A opção pelo treinamento interno

Diante da escassez de mão de obra e as lacunas na capacitação acadêmica tradicional, as empresas se veem obrigadas a formar seus colaboradores através de cursos In Company, uma alternativa para “formar em casa” os profissionais que precisam. Nem mesmo a necessidade de adequar a remuneração dos colaboradores para fazer frente à realidade dos salários no marketing digital.

O problema não é o quanto pagar aos profissionais mas sim ter pessoal para encarar os desafios apresentados pelo crescimento de importância das mídias digitais.

Salários no marketing digital devem acompanhas crescimento do setor

O crescimento do setor não dá o menor sinal de arrefecimento. No Senso Digital 2012, publicado pela ABRADI – Associação Brasileira de Agências Digitais, mostra um crescimento acelerado do setor e com a percepção das empresas sobre a importância de uma presença online nos dias de hoje, a perspectiva é de que continue acelerado pelos próximos anos. Dessa forma, juntando-se a carência de profissionais qualificados com a expansão do setor, a tendência é que também os salários no marketing digital continuem em alta.

O caminho para participar desse mercado em crescimento é justamente a qualificação e atualização constante, já que os salários no marketing digital são realmente atraentes, mas exigem muita qualificação.

Fonte: Blog da Academia do Marketing

10 dicas para ter sucesso no e-commerce

10 dicas para ter sucesso no e-commerce

10 dicas para ter sucesso no e-commerce

10 dicas para ter sucesso no e-commerce

A promessa de que lançar um e-commerce é fácil pode iludir muitos empreendedores. Mas o fato de os custos de entrada serem baixos não torna esse tipo de negócio mais fácil do que o varejo tradicional. Assim como em uma loja física, é preciso fazer um extenso planejamento e ter conhecimento de ferramentas de gestão. “O erro mais comum é a pessoa simplesmente criar um site e sair vendendo”, afirma Alexandre Soncini, diretor de vendas e marketing da Vtex, uma empresa de soluções para e-commerce. “Só tem sucesso na internet quem conhece as regras universais do comércio”, diz.

Para Soncini, o e-commerce não é um bom espaço para quem deseja vender seus produtos sem ter de administrar uma empresa. “Quem só quiser vender terá mais chances se procurar um marketplace, como o Mercado Livre ou outros que existem no mercado”, diz Soncini.

Mas, para quem quer lançar uma loja virtual de fato, ele dá algumas dicas que podem assegurar o sucesso da operação.

E-commerce é um varejo como os outros

Não basta apenas listar o produto no site. É preciso saber comprar dos fornecedores, entender qual o melhor sortimento dos produtos no portfólio e calcular o inventário a ser estocado. É necessário também ter conhecimentos de gestão para entender os demonstrativos financeiros e calcular o fluxo de caixa

Planejamento é crítico

Planejar é um exercício que pode ser considerado chato e exige matemática financeira. Mas, sem isso, o empreendedor não terá um roteiro para avaliar se a operação está eficiente, se as receitas e custos realizados estão de acordo com o planejado e se a empresa está seguindo o rumo desejado

Existem competências específicas do e-commerce

Além das características do varejo físico, o comércio eletrônico tem suas particularidades. Como é a logística para esse tipo de operação? E o pós-venda? Qual a legislação específica? Um exemplo é o artigo 49 do código de defesa do consumidor, que diz que qualquer produto comprado de forma não presencial pode ser devolvido em até sete dias, sem custos para o cliente. O empreendedor levou em conta os custos e as exigências para essa logística reversa?

Os preços não são aleatórios

Quem define o valor dos produtos é sempre o mercado. Alguns donos de e-commerce pensam que podem praticar os preços que desejarem. O resultado é que os clientes não irão comprar. O conhecimento da cadeia de mark-up é igualmente necessário para o comércio eletrônico.

O lucro vem da otimização dos custos

Ao colocar preços mais baixos, o empreendedor pode passar a vender mais e ter a falsa sensação de crescimento. Aumentar a receita é a parte considerada mais fácil. O problema é conjugá-la com os custos, que também aumentam quando as vendas sobem. Vender mais, com despesas menores, é o que vai garantir o sucesso do negócio. Para isso, é preciso planejar, avaliar fornecedores e estar atento aos indicadores do negócio.

O tíquete médio deve levar a uma operação eficiente

Para ganhar vendendo produtos baratos é preciso realizar muitas transações. Vender apenas produtos caros não é um bom conselho, pois isso prejudica a captação dos clientes. A solução para o problema está em manter a operação eficiente e desenvolver formas de vender os produtos de maior valor, como oferecer produtos superiores por um pouco mais (up-selling).

O planejamento tributário ajuda nas margens

Entender o emaranhado de tributos brasileiros é algo difícil, mas um gerente de e-commerce precisa compreender o sistema para melhor planejar sua logística. As boas margens do negócio dependem, em parte, da estratégia tributária, sobretudo no que diz respeito ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Os fornecedores se multiplicam

Para ter seu comércio na internet, o empreendedor deve se dar conta que seus fornecedores não serão apenas os fabricantes ou distribuidores dos produtos que ele revende. O próprio serviço na internet exige fornecedores da plataforma de e-commerce, de logística, de meios de pagamento, marketing e serviço de atendimento ao consumidor (SAC). São, porém, responsabilidades que o empreendedor pode assumir, mas que lhe tiram o foco do negócio principal da empresa.

Indicativos de desempenho mostram a evolução

Como em qualquer negócio, o empreendedor deve acompanhar a evolução da empresa nos diversos âmbitos. Isso deve ser feito com base em indicativos. No marketing, os principais são o ROI (retorno do investimento) e a taxa de conversão. Na parte financeira, receitas e custos planejadas e realizadas. Na logística, prazo de entrega e estoque.

A plataforma de e-commerce deve ser bem escolhida

No mercado existem de soluções gratuitas a outras que custam milhões de reais. A escolha não deve levar em conta apenas o custo, mas se as funcionalidades que elas oferecem são importantes para o aquele negócio em específico e se traduzem em diferencial competitivo. Por exemplo, uma loja virtual de roupas pode ter um provador virtual para os consumidores verem como caiu o modelo. Além de conquistar mais clientes devido à facilidade, a empresa ajuda a reduzir os custos de devolução do produto.

Plataforma de E-commerce

Plataforma de E-commerce – O coração da loja virtual

Plataforma de E-commerce - Sistemas de E-commerce

Plataforma de E-commerce – Sistemas de E-commerce

Uma das principais peças de uma loja é a plataforma de e-commerce, sistema responsável pelo gerenciamento – back end, e visualização da loja, o front end. É o sistema que nos possibilita criar a loja virtual e também gerenciá-la, incluindo produtos, gerenciando estoques, preços e estoques, além de outras funções que fazem parte do dia-a-dia de um comércio eletrônico.

Em nosso curso de criação de lojas virtuais dedicamos um módulo inteiro para a discussão deste assunto, uma vez que a escolha da plataforma de e-commerce é um dos passos mais importantes em um projeto de comércio eletrônico. Como o sistema é a base de toda a operação de e-commerce, um desalinhamento dessa plataforma com as necessidades do restante do projeto, pode provocar transtornos sérios e até mesmo o fracasso do projeto.

 

A escolha da plataforma de e-commerce deve ser encarada como um casamento entre o empreendedor e a tecnologia

A importância da escolha de uma boa plataforma de e-commerce

Uma boa plataforma de ecommerce precisa ser completa e além de oferecer as ferramentas básicas para o gerenciamento da loja, deve também incluir ferramentas que possibilitem a integração de outras tarefas também importantes para o sucesso de uma loja virtual como, por exemplo, a área de marketing digital.

Escolher um bom fornecedor de plataforma de e-commerce é um missão árdua já que existem diversas opções no mercado. No check list para escolha de plataforma de e-commerce que disponibilizamos para os participantes do nosso curso, enumeramos uma série deles como:

  • Integração com a versão para e-commerce do Google Analytics;
  • Ferramentas que possibilitem um bom trabalho de SEO;
  • Integração com a principais redes sociais.

A solução de e-commerce atual é muito mais do que simplesmente um sistema de loja virtual, ela deve funcionar como um verdadeiro Hub da atividade do comércio eletrônico e para isso, é essencial que o fornecedor do sistema, seja ele SAAS, Open Source ou uma plataforma exclusiva, agregue todas essas funcionalidades.

A troca da plataforma de e-commerce pode ser traumática

Algumas pessoas acham que podem começar sua loja virtual com qualquer plataforma para depois fazer um upgrade, ledo engano. Quando em nosso trabalho de consultoria em e-commerce investimos muito tempo nessa etapa do projeto, é porque sabemos que um erro nessa parte pode ser fatal. Não existe troca de plataforma de e-commerce sem traumas. Além de questões que envolvem o SEO, existe, por exemplo, uma perda de eficiência no período em que a equipe leva para se acostumas com o novo sistema.

Ao trocar de plataforma de comércio eletrônico, você está, mesmo não querendo, jogando fora toda uma cultura operacional da empresa e isso certamente irá se refletir no desempenho de vendas ou atendimento ao cliente. Saber como escolher uma plataforma de e-commerce lhe coloca fora deste risco.

Agora que você já tem uma ideia de o que é uma plataforma de e-commerce, certamente irá dedicar o tempo que for necessário para essa escolha para que no futuro, não tenha problemas nesse setor do seu e-commerce.

Quanto custa montar uma loja virtual?

Quanto custa montar uma loja virtual?

Quanto custa montar uma loja virtual. Veja quais são os custos para você abrir a sua loja virtual.

Quanto custa montar uma loja virtual?

Se você está interessado em saber quanto custa montar uma loja virtual, posso lhe adiantar que, ao contrário do que muita gente pensa, o investimento é bem menor do que você imagina. Parte do crescimento do e-commerce nos últimos anos no Brasil, se deve ao fato de que o avanço das tecnologias empregadas na criação de lojas virtuais vem destruindo gradativamente as barreiras de entrada no segmento reduzindo custos. Isso tem feito com que cada vez mais, pequenos e médios empresários busquem o comércio eletrônico como alternativa para expansão de seus negócios.

É compreensível a preocupação em descobrir quanto custa montar uma loja virtual, já que como em qualquer outro negócios, os custos são fundamentais não só para a avaliação de viabilidade do projeto quanto para a análise dos riscos envolvidos. No passado, seria impossível pensar em criar uma loja virtual sem um investimento inicial expressivo, principalmente o que diz respeito a softwares e sistemas acessórios. Hoje em dia a realidade do comércio eletrônico brasileiro é bem diferente, e principalmente, animadora.

Quais são os principais custos para a abertura de uma loja virtual

Muitas vezes em nosso curso sobre montagem de lojas virtuais vemos empresários e empreendedores se surpreenderem ao descobrirem que atualmente o investimento para montar uma loja virtual é bem menor do que eles imaginavam. Existem dois pontos distintos a serem analisados:

[checklist icon=”check” iconcolor=”” circle=”yes”]

  • O investimento para criação da loja virtual – Software e sistemas acessórios
  • O investimento para a divulgação da loja virtual – Marketing digital

[/checklist]

Não se pode pensar em montar um e-commerce sem analisar esse dois aspectos, já que um projeto de comércio eletrônico não se limita única e exclusivamente a criação da loja virtual em si, mas também na divulgação do negócio como em qualquer outra área. Não é pelo simples fato de você ter montado a loja virtual que milhares de pessoas aparecerão de uma hora par outra para comprar em sua loja.

Vejamos quanto custa montar uma loja virtual

Para ter uma loja virtual você precisará, antes de tudo, do que chamamos de plataformas de e-commerce, que é o sistema encarregado da criação do site e também da parte administrativa. Antigamente esse era o grande obstáculo para quem queria montar uma loja virtual, mas hoje em dia existem diversas opções. Muita gente me pergunta quanto custa montar uma loja virtual e fica impressionada com a resposta. Você encontra ótimas soluções no mercado a partir de R$ 80,00 ao mês.

Para o pequeno e médio empresário, a melhor opção é o aluguel de uma plataforma de e-commerce pronta. Além de deixar todo o processo bem mais rápido e menos tortuoso, o investimento inicial também cai sensivelmente. O custo varia conforme os recursos oferecidos e atualmente temos diversas opções no mercado. Em nosso curso criamos uma planilha para que você possa avaliar as opções disponíveis e identificar a que melhor se adapta às necessidades do seu negócio.

Uma das grandes vantagens do e-commerce é justamente o fato de você poder começar seu negócio com uma solução de menor custo e, aos poucos, à medida em que o negócio vai crescendo, passar para sistemas mais sofisticados. Na hora de escolher uma plataforma de e-commerce, uma dos fatores a serem levados em consideração é justamente o de escalabilidade, ou seja, possibilidade de expansão do sistema para acompanhar a evolução do negócio.

Custo para divulgação da loja virtual

A segunda parte da resposta para a pergunta quanto custa montar uma loja virtual, nem sempre está bem nítida para os novos empresários; o custo de divulgação de uma loja virtual. Atualmente, o grande diferencial entre lojas virtuais está justamente na divulgação. Como você pode perceber, a criação de uma loja virtual, em termos técnicos, não é nenhum bicho de sete cabeças, mas sem marketing a coisa simplesmente não funciona.

O marketing digital deve ser muito bem planejado em seu projeto e o capital alocado para essa parte do negócio deve girar entre 70% a 80% do valor total do investimento. Isso mesmo, um dos maiores mitos dos negócios online é que o marketing digital é baratinho ou até mesmo gratuito. É claro que a estrutura da loja virtual é importante, mas o marketing digital é que promove as vendas e gera fluxo de caixa. Portanto, é inconcebível pensar em projeto de e-commerce sem uma boa estratégia de marketing digital, como também o seria no mundo físico.

O caminho para uma loja virtual de sucesso para por investimentos em marketing de busca – SEO e links patrocinados, email marketing e redes sociais. Todas estas ações devem estar muito bem articuladas para garantir que você esteja obtendo o máximo do potencial que cada uma dela pode proporcionar. Se ou seus colaboradores não têm domínio das técnicas dessa área, pode optar pelo treinamento e especialização em marketing digital da sua equipe ou então terceirizar esta parte do negócio através de uma agência digital.

Nós não apresentamos muitos números nesta matéria porque o valor vai depender das características do seu negócio, mas já dá para ter uma ideia em termos de grandeza. Eu até mesmo arriscaria dizer que a partir de R$ 5.000 já é possível criar uma loja virtual com uma boa chance de sucesso, mesmo sendo um micro empresário. Em nosso curso também fornecemos uma planilha para apuração detalhada dos custos para que você tenha este valor da forma que deve ser; na ponta do lápis.

Pronto, agora que você já sabe quanto custa montar uma loja virtual, que tal deixar apenas de sonhar e começar a colocar no papel suas ideias? Precisando de ajuda, pode contar com a equipe do Curso de E-commerce e nossos treinamentos para vencer este desafio.

Análise SWOT no e-commerce

,

Análise SWOT no e-commerce como ferramenta de planejamento

Análise SWOT no e-commerce como ferramenta de planejamento

Análise SWOT no E-commerce – Planejamento

A análise SWOT no e-commerce é uma das etapas mais importantes de um projeto de e-commerce, mas muita gente simplesmente ignora essa fase ou atribui a ela um valor bem menor do que deveria. A análise SWOT, sigla para Strengths, Weaknesses, Opportunities e Threats, tem como finalidade fazer uma análise ambiental, sendo a base da gestão e do planejamento estratégico.

Em um ambiente em constante mutação, a análise SWOT no e-commerce nos dá uma visão do que esperar em termos de ambiente negocial. Ela é feita a partir da análise dos seguintes fatores:

  • Pontos fortes do empreendimento – Strenghts
  • Pontos fracos e vulnerabilidades do e-commerce – Weaknesses
  • Oportunidades apresentadas – Opportunities
  • Ameaças que a loja virtual irá enfrentar – Threats

A análise destes fatores na etapa de planejamento de uma operação de e-commerce nos permite ter uma ampla visão do ambiente em que os processos atuais e futuros vão se desenrolar, e com isso, facilitam o posicionamento estratégico adequado. Em nosso curso de e-commerce online, nós disponibilizamos uma planilha exclusiva para esse tipo de análise para facilitar na hora de criação do projeto.

Primeiros passos da análise SWOT no e-commerce

O principal objetivo de uma Análise SWOT é, em um primeiro momento, identificar seus pontos fortes e seus pontos fracos. A segunda etapa consiste em identificar as oportunidades existentes no segmento e finalmente as ameaças ao seu negócio. Embora seja uma ferramenta clássica da etapa de planejamento e obrigatória em qualquer plano de negócio para e-commerce, ela deve ser  feita no mínimo uma vez por ano, em função da dinâmica do segmento dos negócios online.

Análise SWOT no e-commerce – Seus pontos fortes

A primeira etapa da análise SWOT no e-commerce é identificar seus pontos fortes. O que você faz melhor do que os outros concorrentes no seu segmento de atuação?  O que faz sua empresa única? Você oferece produtos de nicho que não estão disponíveis em outros lugares? Esses são alguns pontos que podem colocar seu e-commerce à frente dos outros concorrentes.

Pontos fracos em uma análise SWOT

Nessa etapa da análise SWOT você deve identificar os pontos fracos do seu projeto de e-commerce. Em que quesitos sua loja virtual não consegue superar seus concorrentes diretos? O que eles possuem que você não consegue superar? Uma análise da concorrência bem feita irá deixar claro em que área sua empresa apresenta dificuldades.

No comércio eletrônico isso pode acontecer na parte técnica, como a plataforma de e-commerce, por exemplo, ou também na parte negocial em si, como preços pouco competitivos e até mesmo problemas de logística.

As etapas de determinação de pontos fortes e pontos fracos é o que chamamos de ambiente interno da análise SWOT, ou seja, os fatores sobre os quais você tem controle e pode atuar diretamente.

Oportunidades para sua loja virtual

A segunda fase da análise SWOT no e-commerce é a análise dos fatores externos, ou seja, Oportunidades e Ameaças. Nessa etapa nos concentramos em dois questionamentos básicos:

  • De que forma as novas tecnologias podem ajudar na expansão dos seus negócios e na conquista de vantagens e diferenciais sobre seus concorrentes?
  • Quais são as suas vulnerabilidades e também as dos seus concorrentes?

Sob a luz dessas duas perguntas, podemos então desenvolver toda a análise dos fatores externos, sobre os quais, pelo menos em um primeiro momento, não temos controle.

Análises das oportunidades que surgem a cada dia

O e-commerce é uma das atividades mais dinâmicas do mundo. As novas tecnologias nos abrem oportunidades a cada lançamento. Esses avanços colocam o comércio eletrônico cada vez mais perto do comércio físico, levando para o ambiente online, algumas experiências que somente eram possíveis no mundo físico até bem pouco tempo. Melhorias nas tecnologias que envolvem os carrinhos de compras em lojas virtuais permitiram compras mais rápidas e um maior aproveitamento das oportunidades de compras por impulso, com mecanismos de Cross Selling, por exemplo, maximizando assim a rentabilidade das lojas virtuais.

No âmbito do atendimento no e-commerce, os sistemas de chat e outras tecnologias de comunicação em tempo real, tem possibilitado uma atuação cada vez mais pontual na eliminação de dúvidas e no atendimento pós venda do e-commerce, melhorando assim a experiência do usuário em nossa loja e com isso fidelizando-os.

Os sistemas de web análise têm nos dado informações cada vez mais valiosas para compreendermos o comportamento dos consumidores e visitantes da loja virtual, facilitando assim a tarefa de identificar seus anseios e dificuldades. Com isso, podemos aprimorar processos e rotinas visando a melhoria de desempenho, não só em termos financeiros e tecnológicos, como também em termos de relacionamento.

O grande desafio nessa área e se manter atualizado com o que acontece aqui e lá fora, de forma a viabilizar sua aplicação no menor tempo possível em seu e-commerce. Mas copiar não é a solução, pense em criar uma verdadeira Estratégia do Oceano Azul do E-commerce para criar um diferencial competitivo.

Ameaças que existem ou podem surgir

A velocidade dos negócios online tanto funciona no sentido da criação de oportunidades como também na criação de sérias ameaças que podem, em última instância, determinar até mesmo o encerramento das atividades de uma loja virtual.

No mundo físico, esses exemplos são muito comuns. A Blockbuster, por exemplo, ignorou a ameaça das mídias online e viu seu império ser tragado pelo avanço da tecnologia de aluguel de filmes online, como o oferecido pela Netflix. A indústria fonográfica então, cega pela arrogância e prepotência corporativa cultivada durante seus anos de glória, foi praticamente dizimada até se concientizar que deveria modificar seu modelo de negócio. Sua prima, a indústria do cinema, essa então se viu em um verdadeiro inferno diante da pirataria e dos sistemas P2P que quase a levaram à lona.

No mundo online, as ameaças tecnológicas e até mesmo regulamentares, podem afetar de forma violenta a evolução de um e-commerce. As barreiras de entrada no comércio eletrônico vêm sendo gradativamente eliminadas nos últimos anos através da redução dos custos de sistemas e facilidade de implementação de novas lojas virtuais. Essa é uma ameaça constante com a qual você precisa aprender a conviver.

Portanto, diante de ameaças que não param de surgir a cada momento, a única saída é exercer um monitoramento constante em relação a novas tecnologias e posicionamento estratégico dos seus concorrentes, para desenvolver o hábito de se reinventar a cada momento, mantendo assim seu e-commerce blindado contra essas possíveis ameaças. Atualização tecnológica e pessoal cada vez mais capacitado em marketing digital e outras áreas da operação, são essenciais para se manter vivo nesse mercado.

O mercado online é dinâmico e por isso precisamos estar fazendo uma autoanálise constante para não perder o ritmo. A Análise SWOT no E-commerce não deve se limitar à fase de planejamento do negócio, devendo ser refeita a cada ano para um posicionamento estratégico atualizado.

E-commerce para pequenas empresas

E-commerce para pequenas empresas é uma realidade

E-commerce para pequenas empresas. Como as PMEs podem aproveitar as oportunidades no comércio eletrônico

E-commerce é opção para pequenas empresas

O segmento de e-commerce para pequenas empresas vem crescendo a passos largos nos últimos anos, principalmente em função da derrubada de diversas barreiras de entrada, principalmente nas áreas de TI e marketing digital que tornavam este segmento uma exclusividade das grandes empresas. Atualmente, é possível montar uma loja virtual com baixo investimento e contar com recursos que há pouco tempo atrás estavam disponíveis apenas para grandes empresas.

Antigamente, quando se falava em e-commerce para pequenas empresas, a realidade eram plataformas de e-commerce improvisadas e soluções em marketing digital primitivas, que em termos de retorno efetivo eram simplesmente nulas. Este quadro mudou, e atualmente as PMEs podem disputar de igual para igual um mercado que apresenta uma taxa de crescimento média de 25% nos últimos cinco anos, segundo os relatórios da Webshoppers, e não apresenta qualquer sinal de esgotamento, muito pelo contrário.

O espaço das PMEs no e-commerce brasileiro

O e-commerce para pequenas empresas surge como uma alternativa atraente para empreendedores pressionados pelos elevados valores de locação de imóveis e o caos urbano que tem transformado uma simples saída para compras nos shopping centers e outros centros comerciais em uma verdadeira aventura.

Como o custo de uma loja virtual é bem menor que o de instalação de uma unidade física, as pequenas empresas têm no comércio eletrônico uma opção para expansão de seus negócios, que une baixos custos e oportunidade de conquista de novos mercados. Isso tem feito com que cada vez mais, pequenos e micro empresários vejam no varejo eletrônico uma grande oportunidade de crescimento de seus negócios.

Ecommerce abre novos mercado para as PMEs

Uma das grandes vantagens do e-commerce para pequenas empresas é a expansão do mercado. Ao romper com as barreiras geográficas, o e-commerce, abre para as pequenas empresas um novo mercado, onde elas podem oferecer seus produtos para um público, que muitas vezes não tem acesso físico a eles, mas que pela Internet passa a fazer parte do rol de clientes, a um custo infinitamente menor do que o que representaria o mesmo investimento no mundo físico.

A expansão da banda larga no país é outro fator que estimula o ingresso das pequenas empresas no e-commerce. Na medida em que cada vez mais lares brasileiros têm acesso a Internet através de conexões de banda larga, cresce o universo de consumidores em potencial. Isso cria um mercado praticamente virgem para as pequenas empresas, que por limitações orçamentárias não poderiam ter acesso a esses consumidores se não houvesse a opção do comércio eletrônico.

Tecnologia e capacitação profissional não é mais problema

Como a tecnologia aplicada ao e-commerce não é mais uma barreira de entrada para os pequenos empresários, que hoje dispõem de diversas opções para a criação de uma loja virtual de sucesso, criou-se um novo cenário para o crescimento.

A capacitação profissional também não é mais obstáculo já que é possível capacitar a equipe de colaboradores em qualquer lugar do Brasil, graças à educação a distância, área inclusive, que o Curso de E-commerce foi pioneiro, oferecendo cursos nas áreas de gestão de e-commerce e marketing digital de qualidade e atualizados. Quando criamos nosso curso de e-commerce para pequenas empresas ficamos surpresos com a demanda que superou em muito nossas espectativas, o que mostrou a forma desse mercado.

O importante é ter uma visão realista do mercado

Dizer que criar uma presença comercial na Internet é fácil, é vender ilusões. Em nosso curso de e-commerce dimensionamos o comércio eletrônico para pequenas empresas de forma realista, para que ninguém seja induzido ao erro. O mercado é promissor, mas exige planejamento, investimento e dedicação. A criação de um projeto de comércio eletrônico precisa partir de premissas realistas e não de promessas de um negócio fácil.

Não se trata mais de saber o que vender pela Internet, já que atualmente vende-se de tudo na web, desde carros e apartamentos até ingressos para shows. Trate-se de saber como vender com eficiência, ou seja, como o e-commerce para pequenas empresas pode criar um diferencial em relação aos grandes players do mercado e com isso garantir um Market Share para as PMEs que entram agora.

O momento do mercado é ótimo e o e-commerce para pequenas empresas, representa uma oportunidade para conquista de novos mercados e expansão dos negócios.